Canção para a sexta-feira

"Diga lá, coração"

Gonzaguinha

"São coisas dessa vida tão cigana
Caminhos como as linhas dessa mão
Vontade de chegar e olha eu chegando
E vem essa cigarra no meu peito
Já querendo ir cantar noutro lugar

Diga lá, meu coração
Da alegria de rever essa menina
E abraçá-la e beijá-la

Diga lá, meu coração
Conte as histórias das pessoas
Nas estradas dessa vida

Chore essa saudade estrangulada
Fale, sem você não há mais nada
Olhe bem nos olhos da morena
E veja lá no fundo a luz
Daquele sol de primavera

Durma qual criança no seu colo
Sinta o cheiro forte do seu solo
Passe a mão nos seus cabelos negros
Diga um verso bem bonito
E de novo vá embora

Diga lá, meu coração
que ela está dentro em meu peito
E bem guardada
E que é preciso mais que nunca prosseguir."



 Escrito por Marcelo às 11h24
[   ] [ envie esta mensagem ]




Caio F.

"Lembrei que tinha lido em algum lugar que a dor é a única emoção que não usa máscara."

Caio Fernando Abreu



 Escrito por Marcelo às 10h52
[   ] [ envie esta mensagem ]




Phillipe Baden Powell

O amigo Philippe Baden Powell convida para o show que fará na próxima terça (dia 3), a partir das 19h, na Sala Baden Powell, em tributo a seu pai. Acompanhado de Igor Eça (contrabaixo) e Rafael Maia (bateria), Philippe mostrará ao piano algumas das composições mais conhecidas do violonista, e também um pouco de sua obra inédita. Ingressos a R$ 10.



 Escrito por Marcelo às 10h29
[   ] [ envie esta mensagem ]




(...)

"Há flores por todo canto para quem quiser enxergá-las"

Henri Matisse



 Escrito por Marcelo às 16h31
[   ] [ envie esta mensagem ]




Contos simulados a partir de um mote tosco

Está hilária a série Contos simulados a partir de um mote tosco, que o amigo Henrique escreve atualmente lá no seu Fullbag. A proposta é a seguinte: imaginar de que modo alguns de nossos principais escritores tratariam a (real!!!) notícia: "Prefeitura paga R$ 3,00 por quilo de caramujos, que estão infestando a cidade." Henrique já postou os "textos" de Clarice Lispector e Guimarães Rosa (que republico abaixo).

"À maneira de Guimarães Rosa

A PASSAGEM DAS CONCHAS

No que vem da praça é terra. De resto é sertão nos entretudos encaramujados. Eis que Mestre Anselmo, ressobiando-se nas ventas, dedicava-se impestioso ao assassínio das microvidinhas. "Vem fofilhote, que o que te espera é cabo". E a vida mumunhava-se sobre a sua pá, no desvão das cascas, rumo ao celeiro incógnito disputado entre Deus e o Cabrunco, o Tal-Qualóide, o Charadoso, o Sem-Nominado."



 Escrito por Marcelo às 14h06
[   ] [ envie esta mensagem ]




"E cheios de ternura e graça..."

"Valsinha"

Chico Buarque / Vinícius de Morais

"Um dia ele chegou tão diferente do seu jeito de sempre chegar
Olhou-a dum jeito muito mais quente do que sempre costumava olhar
E não maldisse a vida tanto quanto era seu jeito de sempre falar
E nem deixou-a só num canto, pra seu grande espanto convidou-a pra rodar

Então ela se fez bonita como há muito tempo não queria ousar
Com seu vestido decotado cheirando a guardado de tanto esperar
Depois os dois deram-se os braços como há muito tempo não se usava dar
E cheios de ternura e graça foram para a praça e começaram a se abraçar

E ali dançaram tanta dança que a vizinhança toda despertou
E foi tanta felicidade que toda a cidade enfim se iluminou
E foram tantos beijos loucos
Tantos gritos roucos como não se ouvia mais
Que o mundo compreendeu
E o dia amanheceu
Em paz"



 Escrito por Marcelo às 12h50
[   ] [ envie esta mensagem ]




João do Rio

Ótima notícia: lançado originalmente em 1908, o hoje clássico A alma encantadora das ruas, de João do Rio, volta ao mercado pela Companhia das Letras. O livro reúne crônicas e reportagens publicadas na imprensa do Rio entre 1904 e 1907. E desde que li alguns de ses trechos, eu andava atrás dele pelos sebos da cidade...



 Escrito por Marcelo às 12h31
[   ] [ envie esta mensagem ]




Mais Carpinejar

"(...) Seu jeito de sentar sobre uma perna revela seu jeito de encarar os problemas. Quando está com raiva, procura a janela da cozinha. Quando está feliz, recorre à janela da sala. Minha mulher pode ser a mais pacata e tediosa para quem não convive com ela, mas comigo é sobrenatural e intensa. Não nos desperdiçamos em interrogatórios; observamos. Cada sombra dela me interessa porque não sei explicar e ainda assim me faz bem.
Há o sol de gripe, que me faz espirrar; o sol de inverno, que me põe a sentar; o sol do verão, que encurta as marquises; o sol do entardecer, que troca a minha pele. Quantos sóis circulam na respiração dela? (...)"




 Escrito por Marcelo às 10h29
[   ] [ envie esta mensagem ]




Ouvindo...

"Faca"

Fátima Guedes

"O seu nome é uma faca
me dilacerando
O segredo é uma faca
de dois gumes
Morro de paixão,
morro de ciúmes

Você vive na estrela
incomunicável
Você fala comigo
e nem me vê
Preciso olhar o céu
pra compreender você

O seu nome é uma faca
lâmina afiada
enterrada no peito até o fim
É melhor morrer de uma vez
Eu estou jogada a seus pés
Tenha dó de mim"



 Escrito por Marcelo às 10h27
[   ] [ envie esta mensagem ]




Carpinejar

"Há feridas que não se curam, apenas se esquecem de doer. Há alegrias que não se completam, mudam de vento."

Fabrício Carpinejar 


P.S. O quadro é um dos geniais da série Ciclistas, de Iberê Camargo...



 Escrito por Marcelo às 10h04
[   ] [ envie esta mensagem ]




Monica e Raphael

Quem hoje mui merecidamente brilha na matéria de capa do Segundo Caderno (O Globo), sobre os dez anos de morte do grande Raphael Rabello, é a querida Moniquitcha Ramalho. Ela fala ao amigo João Pimentel sobre o livro ao qual se dedica atualmente, e que terá como tema justamente a vida do violonista. À minha biógrafa preferida (desculpe, viu, Ruy Castro...), os devidos parabéns! Segue um trecho do texto do Janjão: 

(...) A jornalista e pesquisadora Mônica Ramalho, apaixonada pela obra do violonista, está escrevendo “A contribuição de Raphael Rabello à música brasileira”, trabalho contemplado com uma bolsa do RioArte, e prepara, ainda para este ano, juntamente com a diretora Lara Velho, um documentário para o Canal Brasil:
— Não entrarei nos aspectos de sua vida pessoal. O foco é a música, que era muito preciosa. Já colhi depoimentos interessantes como o do Ney Matogrosso, com quem ele fez o disco “À flor da pele”, em 1990, e da Marina Lima, que lembrou o dia em que Raphael telefonou curioso com uma música que ela gravara. Foi visitá-la e pediu para que ela tocasse violão. É inacreditável que não exista nada documentado sobre ele, que ainda existam discos fora de catálogo. (...)"



 Escrito por Marcelo às 09h51
[   ] [ envie esta mensagem ]




Canção para hoje

"Beatriz"

Edu Lobo / Chico Buarque

"Olha
Será que ela é moça
Será que ela é triste
Será que é o contrário
Será que é pintura
O rosto da atriz
Se ela dança no sétimo céu
Se ela acredita que é outro país
E se ela só decora o seu papel
E se eu pudesse entrar na sua vida

Olha
Será que é de louça
Será que é de éter
Será que é loucura
Será que é cenário
A casa da atriz
Se ela mora num arranha-céu
E se as paredes são feitas de giz
E se ela chora num quarto de hotel
E se eu pudesse entrar na sua vida

Sim, me leva para sempre, Beatriz
Me ensina a não andar com os pés no chão
Para sempre é sempre por um triz
Ai, diz quantos desastres tem na minha mão
Diz se é perigoso a gente ser feliz

Olha
Será que é uma estrela
Será que é mentira
Será que é comédia
Será que é divina
A vida da atriz
Se ela um dia despencar do céu
E se os pagantes exigirem bis
E se um arcanjo passar o chapéu
E se eu pudesse entrar na sua vida"



 Escrito por Marcelo às 10h29
[   ] [ envie esta mensagem ]




Caio F. - Frases

"A gente, quando tenta analisar qualquer problema, sempre vai aprofundando, aprofundando, até que chega nesse fundo que é amor sempre."

"Somente a memória fala: porque é certo que as pessoas estão sempre crescendo e se modificando, mas estando próximas uma vai adequando o seu crescimento e sua modificação ao crescimento e à modificação da outra; mas estando distantes, uma cresce e se modifica num sentido e outra noutro completamente diferente, distraídas que ficam da necessidade de continuarem as mesmas uma para a outra."

"É preciso encher o vazio de palavras, ainda que seja tudo incompreensão?"


P.S. O quadro é de Salvador Dalí...



 Escrito por Marcelo às 10h00
[   ] [ envie esta mensagem ]




Raduan

"...cuidem-se os apaixonados, afastando dos olhos a poeira ruiva que lhes turva a vista, arrancando dos ouvidos os escaravelhos que provocam turbilhões confusos, expurgando do humor das glândulas o visgo peçonhento e maldito; erguer uma cerca ou guardar simplesmente o corpo, são esses os artifícios que devemos usar para impedir que as trevas de um lado invadam e contaminem a luz do outro, afinal, que força tem o redemoinho que varre o chão e rodopia doidamente e ronda a casa feito fantasma, se não expomos nossos olhos à sua poeira?..."

Raduan Nassar (lembrado pela Mara. Obrigado, moça...)



 Escrito por Marcelo às 14h49
[   ] [ envie esta mensagem ]




Adriana Lisboa

A querida Adriana Lisboa enfim rendeu-se à internet. Ela acaba de pôr no ar a sua página oficial, que inclui uma pequena biografia, algumas de suas publicações e a reprodução de resenhas, publicadas originalmente em jornais e revistas, sobre seus livros. Nesta seção especificamente, a afirmo isso com orgulho, há um texto meu (sobre Um beijo de Colombina), e outro do amigo Henrique Rodrigues (sobre Caligrafias). O layout da página ficou bem leve, sofisticado e elegante (assim como a escritora é, aliás) e curiosamente me remeteu à capa de Memória dos barcos, meu segundo livro. Visitem aqui.



 Escrito por Marcelo às 14h48
[   ] [ envie esta mensagem ]




Breve

Manhã de reuniões. À tarde haverá mais posts. Fiquemos, por enquanto, com um Chico premonitório (ou seria outra coisa?)...

"Você vai me seguir"

Ruy Guerra / Chico Buarque

"Você vai me seguir
Aonde quer que eu vá
Você vai me servir
Você vai se curvar
Você vai resistir
Mas vai se acostumar
Você vai me agredir
Você vai me adorar
Você vai me sorrir
Você vai se enfeitar
E vem me seduzir
Me possuir, me infernizar
Você vai me trair
Você vem me beijar
Você vai me cegar
E eu vou consentir
Você vai conseguir
Enfim, me apunhalar
Você vai me velar
Chorar, vai me cobrir
E me ninar"



 Escrito por Marcelo às 10h36
[   ] [ envie esta mensagem ]




Pixinguinha

Antecipando os festejos de amanhã, posto aqui a bonita homenagem de Moacyr Luz (autor da melodia inspiradíssima, como usual) e Paulo César Pinheiro (autor da letra bacana, como usual) a mestre Pixinguinha, que nasceu num dia 23 de abril, data que viria a ser consagrada como o Dia Nacional do Choro... 

"Som de prata"

Moacyr Luz / Paulo César Pinheiro

"Nasceu no Rio de Janeiro
Dia do Santo Guerreiro
Naquele tempo que passou
Foi o maior mestre do choro
Tinha um coração de ouro
E que bom compositor

Foi Carinhoso e foi Ingênuo
E na roda dos boêmios
Sua flauta era rainha
E em samba, choro e serenata
Como era doce o som de prata, doutor
Que a flauta tinha
O embaixador desta cidade
Meu Deus do Céu, ai! que saudade que dá
Do velho Pixinguinha

Veio da terra de Zambi, sangue de malê
De uma falange do Rei Nagô
Filho de Ogum, de São Jorge, do batuquejê
De Benguelê, de iaô, Rainha Ginga
É que sua avó era africana
A rezadeira de Aruanda, vovó, vovó cambinda
Só quem morre dentro de uma igreja
Vira orixá, louvado seja, Senhor!
Meu Santo Pixinguinha

Ele é de Benguelê
Ele é de iaô
E do batuquejê
Ele é do Rei Nagô
Tem sangue de malê
É banto sim sinhô..."



 Escrito por Marcelo às 15h13
[   ] [ envie esta mensagem ]




Querido estranho

Passei os últimos dois dias às voltas com a garganta inflamada, dores no corpo todo e um sono absurdo... No ensejo dessa "preguiça compulsória", dediquei-me a ler, a ouvir Fátima Guedes (Pra bom entendedor...) e Frank Sinatra (Sinatra and the sands, com a orquestra de Countie Basie), além de ver dvds, evidentemente. Entre os filmes, enfim conferi o divertido Os incríveis, revisitei o delicado Romance da empregada, de Bruno Barreto, mas o que me supreendeu positivamente mesmo foi o subestimado Querido estranho, baseado na peça Intensa magia, de Maria Adelaide Amaral, e dirigido por Ricardo Pinto Silva. A trama centra-se no encontro de uma família durante o aniversário do patriarca, vivido com brilho por Daniel Filho, no ponto entre a acidez, as frustrações e o mau humor do protagonista. O elenco, aliás, é muito bem conduzido e consegue manter a leve tensão necessária à história. O maior mérito do filme, contudo, é conseguir transmitir o verdadeiro abismo que há entre as idiossincrasias, as implicâncias, as manias de cada integrante da família e o imenso amor que os une. Amor que não escapa do subtexto praticamente em momento algum, e no entanto está lá, escondido sob cada frase cortante, espremido sob cada humilhação verbal. Querido estranho é, em resumo, uma ilustração sobre a célebre assertiva de Tolstói em Anna Karenina:  "As famílias felizes são todas as iguais. Já as infelizes, cada uma é infeliz à sua maneira."



 Escrito por Marcelo às 09h16
[   ] [ envie esta mensagem ]




"Não sei se é nova ilusão..."

"O circo místico"

Edu Lobo / Chico Buarque

"Não
Não sei se é um truque banal
Se um invisível cordão
Sustenta a vida real

Cordas de uma orquestra
Sombras de um artista
Palcos de um planeta
E as dançarinas no grande final

Chove tanta flor
Que, sem refletir
Um ardoroso espectador
Vira colibri

Qual
Não sei se é nova ilusão
Se após o salto mortal
Existe outra encarnação

Membros de um elenco
Malas de um destino
Partes de uma orquestra
Duas meninas no imenso vagão

Negro refletor
Flores de organdi
E o grito do homem voador
Ao cair em si

Não sei se é vida real
Um invisível cordão
Após o salto mortal"



 Escrito por Marcelo às 16h58
[   ] [ envie esta mensagem ]




Tricolores

Deu na coluna do Ancelmo Góis (O Globo) ontem:

"Chico é campeão"

"Chico Buarque, tricolor doente, estava aflito em Nova York, domingo, porque não tinha como assistir à decisão entre Fluminense e Volta Redonda.
Acredite. Nosso herói ligou para a TV Globo, implorou por uma saída e, ufa!, foi autorizado a ver o jogo no escritório da emissora no centro vazio, vazio de Manhatan. Saiu de lá todo feliz."



 Escrito por Marcelo às 11h42
[   ] [ envie esta mensagem ]




Outro Moutinho

"Quinze"

"preparo-me para o regresso, revejo notas, roupas, afino o
olhar cansado, conto as moedas, apago o sol, bebo um
copo de água morna, o comprimido do coração
afoga-se-me na garganta, arrumo a cabeça, digo adeus

ao romance: as vozes do trabalho, são sempre vozes,
fazem-me vibrar as têmporas, esfrego as mãos secas,
começo a levantar-me, a apagar os silêncios, a boca
atraiçoa-me, o travo amargo é uma lâmina de carne,

nos bolsos procuro, em vão, um lenço branco limpo, para
dizer adeus só um lenço assim, ou uma lágrima, mas do
corpo apenas se afasta a mão fechada, a mão que faz o
cimento e afaga as chamas, a mão do finado, de cera,

fecho a janela, tanto tempo esteve aberta, corro a cortina,
apaga-se a encosta, desaparecem o penedo branco, as aves,
as árvores, os pratos sujos do almoço, o sol, as vacas, essa
sórdida incomodidade da contemplação: é o outono, afinal."

José Viale Moutinho



 Escrito por Marcelo às 10h45
[   ] [ envie esta mensagem ]




Canção para hoje

"Pra fugir da saudade"

Elton Medeiros / Paulinho da Viola

"Saudade
Você fez da minha vida
Uma rua sem saída
Por onde andou minha solidão
E hoje
Quando tudo é esquecimento
Uma flor sobrevive ao tempo
E se desfolha em meu coração
Para aliviar o meu sofrimento

Rompe em silêncio meu canto de felicidade
Dentro de um samba eu desfaço o que ela me fez
Quero abrigar, no entanto
Mais uma flor que renasce
Para fugir da saudade e sorrir outra vez"



 Escrito por Marcelo às 10h14
[   ] [ envie esta mensagem ]




Caio F.

"Então a suspeita bruta: não suportamos aquilo ou aqueles que poderiam nos tornar mais felizes e menos sós. Afirmou, depois acendeu um cigarro, reformulou, repetiu, acrescentou esta interrogação: não suportamos mesmo aquilo ou aqueles que poderiam nos tornar mais felizes e menos sós? Não, não suportamos essa doçura".

Caio Fernando Abreu, numa das crônicas de Pequenas epifanias



 Escrito por Marcelo às 10h14
[   ] [ envie esta mensagem ]




Rosa

"Infelicidade é questão de prefixo"

Guimarães Rosa



 Escrito por Marcelo às 10h17
[   ] [ envie esta mensagem ]




(...)

"A moça do sonho"

Edu Lobo / Chico Buarque

"Súbito me encantou
A moça em contraluz
Arrisquei perguntar: quem és?
Mas fraquejou a voz
Sem jeito eu lhe pegava as mãos
Como quem desatasse um nó
Soprei seu rosto sem pensar
E o rosto se desfez em pó
 
Por encanto voltou
Cantando a meia voz
Súbito perguntei: quem és?
Mas oscilou a luz
Fugia devagar de mim
E quando a segurei, gemeu
O seu vestido se partiu
E o rosto já não era o seu
 
Há de haver algum lugar
Um confuso casarão
Onde os sonhos serão reais
E a vida não
Por ali reinaria meu bem
Com seus risos, seus ais, sua tez
E uma cama onde à noite
Sonhasse comigo
Talvez
 
Um lugar deve existir
Uma espécie de bazar
Onde os sonhos extraviados
Vão parar
Entre escadas que fogem dos pés
E relógios que rodam pra trás
Se eu pudesse encontrar meu amor
Não voltava
Jamais"



 Escrito por Marcelo às 09h57
[   ] [ envie esta mensagem ]




Os maus perdedores e a lição do João Sem Medo

É de impressionar como maus perdedores têm procurado deslegimitimar o título conquistado pelo Flu. Além destes, há também aqueles que, pela absoluta falta de consistência intelectual (ou de vergonha na cara mesmo), adoram a polêmica vazia e apostam em "teorias da conspiração", como o patético Jorge Kajuru, uma espécie de Diogo Mainardi do futebol. A todos eles, deixo a lição do saudoso e grande alvinegro João Saldanha:

"Quem tenta explicar muito é porque já perdeu"

Saudações tricolores!



 Escrito por Marcelo às 09h41
[   ] [ envie esta mensagem ]




Choro no cine

E quem, ao que parece, também abriu uma empresa foi a querida Joaninha. E a Joaninha Produções realiza hoje, às 19h30, no Armazém Digital, uma mostra de curtas sobre o choro ou chorões. Boa pedida, não? Mais informações, aqui.



 Escrito por Marcelo às 18h59
[   ] [ envie esta mensagem ]




Livro do Moacyr

Alguns amigos mais chegados já sabiam, mas agora - como saiu nota na coluna Gente Boa, do Joaquim Ferreira dos Santos - a coisa se tornou pública: estou editando um livro de crônicas do grande Moacyr Luz. Manual de sobreviência nos butiquins mais vagabundos reunirá 25 bem-humorados textos dele sobre temas ligados à boêmia, como A saideira, A cerveja, A mulherO futebol. Ao lado de cada crônica, haverá pequena entrevista com boêmios célebres, entre eles Aldir Blanc, Chico Caruso, Alfredinho do Bip, Paulão Sete Cordas, Jards Macalé e Sérgio Cabral. O livro é um dos projetos da Pentimento, empresa de produção editorial que acabo de abrir, e será lançado pela Senac Rio no segundo semestre.



 Escrito por Marcelo às 18h45
[   ] [ envie esta mensagem ]




Doisneau

Acabo de saber que Le baiser de l'Hôtel de Ville, a foto de que mais gosto entre as tantas pérolas do francês Robert Doisneau (tenho em camisa, em pôster...), irá a leilão na França no dia 25 de agosto, com lance inicial de quase US$ 19 mil. A dona do original, que tem um selo de Doisneau, é Françoise Bornet, atriz que há 55 anos posou para a foto, beijando seu então namorado, Jacques Carteaud. Hoje com 75 anos, Françoise disse que Doisneau, morto em 1994, enviou a foto para ela poucos dias depois de tirá-la, por encomenda da revista americana Life, que pediu a ele imagens de jovens casais em Paris. O registro durante muito tempo foi tido como um flagrante, e não uma foto posada, até que em 1992 outro casal, Jean e Denise Lavergne, revelou à revista L'Express que eles também haviam sido clicados por Doisneau. O fotógrafo então de viu obrigado a revelar que tinha visto o casal se beijando num café, e que pedira a eles para fotografá-los depois. Posada ou não, é linda linda linda.

A título de curiosidade: não, Françoise e Jacques não estão mais juntos...



 Escrito por Marcelo às 12h24
[   ] [ envie esta mensagem ]




Almada Negreiros

"(...) E eu tenho visto olhos!
Mas nenhuns que me vissem
nenhuns para quem eu fosse um achado existir
para quem eu lhes acertasse lá na sua ideia
olhos como agulhas de despertar
como íman de atrair-me vivo
olhos para mim!
Quando havia mais luz
a luz tornava-me quase real o seu corpo
e apagavam-se-me os seus olhos
o mistério suspenso por um cabelo
pelo hábito deste real injusto
tinha de pôr mais distância entre ela e mim
para acender outra vez aqueles olhos
que talvez não fossem como eu os vi
e ainda que o não fossem, que importa?
Vi o mistério!
Obrigado a ti mulher que não conheço."

Almada Negreiros



 Escrito por Marcelo às 12h08
[   ] [ envie esta mensagem ]




Sidney Miller

Autor de Nós, os foliões, minha mais recente "música de cabeceira", Sidney Miller, se vivo, hoje completaria 60 anos. O amigo Fernando Toledo não esqueceu da data e publicou no Jornal do Brasil, em parceria com Áurea Alves, um artigo bem bacana sobre o compositor. Seguie o texto:

"Sidney Miller, tristeza e beleza"

Fernando Toledo e Áurea Alves

"Nós, os foliões, somos dados ao esquecimento: imersos no dia-a-dia, tendemos a não reparar nas pedrinhas que caem no lago e formam círculos concêntricos. E por isso, provavelmente, não entendemos por que tais círculos se formaram. Assim, não entendemos até hoje por que o compositor Sidney Miller se matou, em 16 de julho de 1980, aos 35 anos.

Sidney Álvaro Miller Filho era membro de uma geração privilegiada, em termos de criação musical: nascido em 18 de abril de 1945, há exatos 60 anos, foi contemporâneo de Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Edu Lobo, uma turma que apontaria para uma nova estética e uma nova maneira de encarar o fazer música no Brasil. Em tempos obscuros politicamente, ousaram acender fósforos que tentavam, pelo menos, quebrar a onipresença das trevas.

Sidney não era um iconoclasta como Caetano: em termos de música, estaria mais próximo de Chico, fazendo uma ponte entre um novo olhar e a herança musical e poética em seu sangue. Sua estréia fonográfica, em 1962, com o samba Queixa, uma parceria com Zé Keti e Paulo Tiago, foi defendida por nada mais nada menos que o decano Cyro Monteiro. Foi o início de uma série de grandes composições, que pontilharam a Era dos Festivais de uma beleza melancólica, filosófica mesmo, contrastando com a pirotecnia de certos artistas da época.

Suas letras quilométricas (como a belíssima A estrada e o violeiro, que levou o prêmio de melhor letra no 3° Festival da Record) eram épicos existenciais, um retorno a uma era em que o prazer de contar uma boa história se mesclava à reflexão sobre a natureza da mesma. Um de seus clássicos, O circo (''Vai, vai, vai, começar a brincadeira/ Tem charanga tocando a noite inteira''), opera com o mecanismo dos contos de fada, buscando, no aparentemente ingênuo, toda uma série de arquétipos do ser humano, como o palhaço ''que na vida já foi tudo'', e que ''sem juízo fez feliz a todo mundo, mas no fundo não sabia que em seu rosto coloria todo o encanto do sorriso que seu povo não sorria.'' Uma metáfora perfeita para a condição do artista.

Outras maravilhas podem ser citadas, como o samba Pede passagem, louvor ao ato de resistir às intempéries e que se encerra com os versos: ''Vai balança a bandeira colorida/ Pede passagem pra viver a vida''. Aparentemente, uma contradição em relação à sua morte.

Gravou, ele mesmo, apenas três discos: Sidney Miller (1967), Brasil, do guarani ao guaraná (1968) e Línguas de fogo (1974). Mas intérpretes do estofo de Nara Leão (sua musa), Clara Nunes, Quarteto em Cy e Caetano, entre muitos, se renderam à beleza triste de suas composições. Um dia a tristeza sobrepujou a beleza e Sidney optou por acabar com sua vida. Restou a pergunta, presente nos versos finais de A praça: ''Eu já cantei meu samba/ Quem vai cantar agora?''



 Escrito por Marcelo às 11h52
[   ] [ envie esta mensagem ]




30 vezes campeão

Amigos, eu já tinha alertado aqui que para nós nada é fácil. Assim como os alvinegros são conhecidos por seu atávico pessimismo, os rubro-negros,  pela soberba, e os vascaínos, pela fé na virada, nós, tricolores, temos o sentido do trágico.

O que se viu ontem, no Maracanã, foi mais um capítulo nessa verdadeira epopéia de grandes jogos protagonizados pelo clube das três cores que traduzem tradição. Uma partida daquelas capazes de nos fazer concluir que só quem freqüenta constantemente um estádio pode conceber tamanha alegria.

Com uma vibração absolutamente contagiante, a torcida pintou o estádio em verde, branco e grená, ocupando inclusive todo o espaço destinado às cadeiras e à Geral. Do outro lado, uns cinco mil incautos, com passagem e entrada pagos pela Prefeitura da Cidade do Aço, dividiam lugar com urubus travestidos, aqueles mesmos que à noite sumiram da cidade, entocando-se em suas casas - com a TV desligada, evidentemente.

Mas o jogo de ontem começou na verdade no domingo passado, quando fomos derrotados. Falastrões aposentados empolgaram-se com os reflexos de um holofote tardio e puseram-se a falar bobagens... Torcedores de outras cores, talvez apavorados pelo triste presente e pelo futuro que se anuncia ainda mais sombrio, fizeram piadinhas. Até camisas do Volta Redonda apareceram pela cidade. Diante de tudo, confiante, eu repetidamente retrucava: "o jogo está no intervalo, acredito no meu time, mas ainda assim manterei a humildade..."

Ontem, o Flu precisava vencer por dois tentos de diferença. E o mais complicado: tomamos um gol logo no início do jogo. Não exatamente cabisbaixos, mas ressabiados, seguíamos na partida. Mas as coisas tornavam-se ainda mais difíceis. Porém, quando Tuta subiu e decretou o empate parcial no finzinho do primeiro tempo, as esperanças se renovaram dentro de cada um dos 65 mil tricolores presentes ao Maracanã.

(Um parêntese: Fala-se por aí que nosso avante faz falta no goleiro. Como não vi o videotape, não posso comentar (não era o Nelson Rodrigues que disse que "o videotape é burro?"). E se este foi o fato, pior para ele.)

A verdade é que, incendiado pela torcida que vaiava impiedosamente os jogadores do Voltaço quando tinham a posse de bola e empurrava a equipe tricolor para a frente, o Flu voltou arrasador na segunda etapa. O gráfico de monitor cardíaco que rege cada uma de nossas conquistas ascendia novamente. Nossos gols pareciam questão de tempo. Épicos, porém, pedem mais complexidade. E foi por isso que Tuta perdeu a cabeça, sendo expulso de forma boba. O gráfico do monitor voltava a apontar para baixo.

No entanto, havia a confiança. Havia a certeza de que nosso time era melhor. E mais: havia uma imensa tradição, porque aquela camisa que estava em campo vestiu craques, ganhou títulos, motivou crônicas e canções, fez história. E pusemos tudo isso debaixo do braço para conquistar o nosso 30º Estadual. Ainda no intervalo do jogo, o amigo Sidney me alertara: "Venceremos. Sairemos daqui com a faixa no peito. Está escrito há dez mil anos". Eu sorri para ele. Porque no fundo eu sabia. E por isso fui abraçá-lo logo depois que, convocado pelo Nelson, o Sobrenatural de Almeida resolveu nos dar o campeonato antes mesmo da agonia dos pênaltis, assumindo o corpo desajeitado do zagueiro Antonio Carlos para marcar o gol decisivo.

Naquele instante, lembrei novamente do Nelson, porque foi ali que a humildade acabou. Nelson, Cartola, Mário Lago, entre tantos tricolores ilustres e já falecidos, eu, Sidney, Janot, Luise, Ana Luiza, entre tantos tricolores altivos e sempre presentes, cada um dos que sofreram para comprar seu ingresso nesses sistema patético da Suderj, também aqueles que ficaram em casa e não puderam viver a magia do estádio, todos nós podemos bater no peito com orgulho e afirmar que somos os legítimos campeões do Rio de Janeiro. Nense!


P.S. Esta foi realmente uma cena especialíssima entre as tantas que aconteceram ontem. Entre abraços, suor e algum choro emocionado, caminhávamos pelos corredores do Maracanã em direção à saída cantando que somos os campeões, quando num determinado momento todos, repentinamente, pararam. Era para fazer um preito. De braços erguidos, a massa tricolor cantou À benção, João de Deus em uma só voz. Terminada a canção, então seguimos...



 Escrito por Marcelo às 11h26
[   ] [ envie esta mensagem ]




Lembrando Camus

"Há sempre uma filosofia para a falta de coragem"

Albert Camus

(Frase bem recordada pelo amigo Eduardo Graça, do Absorto...)



 Escrito por Marcelo às 11h05
[   ] [ envie esta mensagem ]




(...)

"A tarde estava errada,
não era dali, era de outro domingo,
quando ainda não tinhas acontecido,
e apenas eras uma memória parada
sonhando (no meu sonho) comigo.

E eu, como um estranho, passava
no jardim fora de mim como alguém de quem alguém se lembrava
vagamente(talvez tu),
num tempo alheio e impresente.

Tudo estava no seu lugar
(o teu lugar), excepto a tua existência,
que te aguardava ainda, no limiar
de uma súbita ausência,
principalmente de sentido."

Manuel António Pina



 Escrito por Marcelo às 10h54
[   ] [ envie esta mensagem ]




Evento no Bip

O querido Alfredinho do Bip Bip convida para o evento que rolará no pequenino bar no próximo dia 25, segunda-feira, a partir das 19h, e que congregará exposição com quadros dos artistas plásticos Mário Ferrer (aquele que inventou um instrumento para catar lixo na rua, lembram?), Paulo Vilella e Roberto Bastos Cruz e (re)lançamento dos livros do amigo Luís "Pimenta" Pimentel.



 Escrito por Marcelo às 10h48
[   ] [ envie esta mensagem ]




Gershwin, por Ella

"Someone to watch over me"

Gershwin

"There's a saying old says that love is blind
Still we're often told "seek and ye shall find"
So I'm going to seek a certain man I've had in mind
Looking everywhere, haven't found him yet
He's the big affair I cannot forget
Only man I ever think of will regret

I'd like to add his initial to my monogram
Tell me where's the shepherd for this lost lamb

There's a somebody I'm longing to see
I hope that he turns out to be
Someone who'll watch over me

I'm a little lamb who's lost in a wood
I know I could always be good
To one who'll watch over me

Although he may not be the man some girls think of
as handsome
to my heart he carries the key

Won't you tell him please to put on some speed
Follow my lead, oh how I need
Someone to watch over me
Someone to watch over me"



 Escrito por Marcelo às 10h37
[   ] [ envie esta mensagem ]




Agualusa

Acabo de receber um email gentil da muito querida Adriana Lisboa, comentando a resenha que fiz para o Prosa & Verso, contando algumas novidades boas e, principalmente, indicando o livro Manual prático de levitação, do angolano José Eduardo Agualusa (de quem só li o ótimo O vendedor de passados). Adriana destacou um dos contos do livro, uma pérola que divido com vocês:

"Borges no inferno"

José Eduardo Agualusa (in Manual prático de levitação)

"Jorge Luis Borges soube que tinha morrido quando, tendo fechado os olhos para melhor escutar o longínquo rumor da noite crescendo sobre Genebra, começou a ver. Distinguiu primeiro uma luz vermelha, muito intensa, e compreendeu que era o fulgor do sol filtrado pelas suas pálpebras. Abriu os olhos, inclinou o rosto, e viu uma fileira de densas sombras verdes. Estava estendido de costas numa plantação de bananeiras. Aquilo deixou-o de mau humor. Bananeiras?! Ele sempre imaginara o paraíso como uma enorme biblioteca: uma sucessão interminável de corredores, escadas e outros corredores, ainda mais escadas e novos corredores, e todos eles com livros empilhados até o tecto.

Levantou-se. Endireitou-se com dificuldade, sentindo-se desconfortável dentro do próprio corpo subitamente rejuvenescido (quando morremos reencarnamos jovens e Borges não se recordava de como isso era.) Caminhou devagar entre as bananeiras. Parecia-lhe pouco provável encontrar ali alguém conhecido, ou seja, alguém de quem tivesse lido algo. Ou alguém sobre quem tivesse lido algo. Nesse caso seria alguém um pouco menos conhecido, ou um pouco menos alguém, ou ambas as coisas.

A plantação prolongava-se por toda a eternidade. Uma dúvida começou a atormentá-lo: talvez estivesse, afinal, não no paraíso, mas no inferno. Para onde quer que olhasse só avistava as largas folhas verdes, os pesados cachos amarelos, e sobre essa idêntica paisagem um céu imensamente azul. Borges lamentava a ausência de livros. Se ali ao menos existissem tigres – tigres metafóricos, claro, com um alfabeto secreto gravado nas manchas do dorso –, se houvesse algures um labirinto, ou uma esquina cor-de-rosa (bastava-lhe a esquina), mas não: só avistava bananeiras, bananeiras, ainda bananeiras. Bananeiras a perder de vista.

Percorreu sem cansaço, mas com crescente fastio, a infinita plantação. Era como se andasse em círculos. Era como se não andasse. Fazia-lhe falta a cegueira. Cego, o que não via tinha mais cores do que aquilo – além do mistério, claro. Como é que um homem morre na Suíça e ressuscita para a vida eterna entre bananeiras?

Borges não gostava da América Latina. A Argentina, como se sabe, é um país europeu (ou quase), que por desgraça faz fronteira com o Brasil, Chile, Uruguai e Paraguai. Para Borges, aquele quase sempre foi um espinho cravado no fundo da alma. Isso e a vizinhança. Os índios ele ainda tolerava. Tinham fornecido bons motivos para a literatura e além disso estavam mortos. O pior eram os negros e os mestiços, gente capaz de transformar o grande drama da vida – da vida, meu Deus! – numa festa ruidosa. Borges sentia-se europeu. Gostava de ler os clássicos gregos (gostaria de os ter lido em grego). Gostava do silêncio poderoso das velhas catedrais.

Foi então que a viu. À sua frente uma mulher flutuava, pálida e nua, sobre as bananeiras. A mulher dormia, com o rosto voltado para o sol e as mãos pousadas sobre os seios, e era belíssima, mas isso para Borges não tinha grande importância (a especialidade dele sempre foram os tigres). Horrorizado compreendeu o equívoco. Deus confundira-o com outro escritor latino-americano. Aquele paraíso fora construído, só podia ter sido construído, a pensar em Gabriel García Marquez.

Jorge Luis Borges sentou-se sobre a terra úmida. Levantou o braço, colheu uma banana, descascou-a e comeu-a. Pensou em Gabriel García Marquez e voltou a experimentar o intolerável tormento da inveja. Um dia o escritor colombiano fechará os olhos, para melhor escutar o rumor longínquo da noite, e quando os reabrir estará deitado de costas sobre o lajedo frio de uma biblioteca. Caminhará pelos corredores, subirá escadas, atravessará outros corredores, ainda mais escadas e novos corredores, e em todos eles encontrará livros, milhares, milhões de livros. Um labirinto infinito, forrado de estantes até o tecto, e nessas estantes todos os livros escritos e por escrever, todas as combinações possíveis de palavras em todas as línguas dos homens.

Jorge Luis Borges descascou outra banana e nesse momento um sorriso – ou algo como um sorriso – iluminou-lhe o rosto. Começava a adivinhar naquele equívoco cruel um inesperado sentido: sendo certo que o paraíso do outro era agora o inferno dele, então o paraíso dele haveria de ser, certamente, o inferno do outro.

Borges terminou de descascar a banana e comeu-a. Era boa. Era um bom inferno, aquele."



 Escrito por Marcelo às 11h19
[   ] [ envie esta mensagem ]




Mais Hélder

"Não sei como dizer-te que a minha voz te procura
E a atenção começa a florir, quando sucede a noite
Esplêndida e vasta.
Não sei o que dizer, quando longamente teus pulsos
Se enchem de um brilho precioso
E estremeces como um pensamento chegado. Quando,
Iniciado o campo, o centeio imaturo ondula tocado
Pelo pressentir de um tempo distante,
E na terra crescida os homens entoam a vindima
- eu não sei como dizer-te que cem ideias,
dentro de mim, te procuram.

Quando as folhas da melancolia arrefecem com astros
Ao lado do espaço
E o coração é uma semente inventada
Em seu escuro fundo e em seu turbilhão de um dia,
Tu arrebatas os caminhos da minha solidão
Como se toda a casa ardesse pousada na noite.
- E então não sei o que dizer
junto à taça de pedra do teu tão jovem silêncio.
Quando as crianças acordam nas luas espantadas
que às vezes se despenham no meio do tempo
- não sei como dizer-te que a pureza,
dentro de mim, te procura.

Durante a primavera inteira aprendo
Os trevos, a água sobrenatural, o leve e abstracto
Correr do espaço -
E penso que vou dizer algo cheio de razão,
Mas quando a sombra cai da curva sôfrega
Dos meus lábios, sinto que me faltam
Um girassol, uma pedra, uma ave - qualquer coisa
extraordinária.

Porque não sei como dizer-te sem milagres
Que dentro de mim é o sol, o fruto,
a criança, a água, o deus, o leite, a mãe,
o amor,

que te procuram."

Herberto Hélder



 Escrito por Marcelo às 10h38
[   ] [ envie esta mensagem ]




Cores

Aliás, definitivamente concordo com a Crib: as pessoas têm uma cor própria mesmo...

(imagem de Paul Klee)



 Escrito por Marcelo às 10h26
[   ] [ envie esta mensagem ]




Canção para a quinta-feira

"Face a face"

Sueli Costa / Cacaso

"São as trapaças da sorte, são as graças da paixão
Pra se combinar comigo tem que ter opinião
São as desgraças da sorte, são as traças da paixão
Quem quiser casar comigo tem que ter bom coração
Morena quando repenso o nosso sonho fagueiro
O céu estava tão denso, o inverno tão passageiro
Uma certeza me nasce, e abole todo o meu zelo
Quando me vi face a face fitava o meu pesadelo
Estava cego o apelo, estava solto o impasse
Sofrendo nosso desvelo, perdendo no desenlace
No rolo feito um novelo, até o fim do degelo
Até que a morte me abrace
São as desgraças da sorte, são as traças da paixão
Quem quiser casar comigo tem que ter bom coração
São as trapaças da sorte, são as graças da paixão
Pra se combinar comigo tem que ter opinião
Morena quando relembro aquele céu escarlate
Mal começava dezembro, já ia longe o combate
Uma lambada me bole, uma certeza me abate
A dor querendo que eu morra, o amor querendo que eu mate
Estava solta a cachorra que mete o dente e não late
No meio daquela zorra, perdendo no desempate
Girando feito piorra, até que a mágoa escorra
Até que a raiva desate
São as trapaças da sorte, são as graças da paixão
Pra se combinar comigo tem que ter opinião
São as desgraças da sorte, são as traças da paixão
Quem quiser casar comigo tem que ter bom coração"

P.S. O quadro, presente da Crib, é do Klimt...



 Escrito por Marcelo às 09h58
[   ] [ envie esta mensagem ]




Justiça

No ano passado, o ótimo documentário Justiça, de Maria Augusta Ramos, fez relativo sucesso nos cinemas brasileiros. Pois bem: a diretora me convidou ontem para formular as perguntas e conduzir as entrevistas que constarão dos extras da versão em dvd do filme. Entre os entrevistados, estarão o juiz Geraldo Prado, a (hoje) desembargadora Fátima Clemente, a defensora pública Maria Ignez Kato (os três são personagens do filme), além do sociólogo Luiz Eduardo Soares. Quem viu o documentário e quiser sugerir perguntar pode fazê-lo por intermédio do meu email: m.moutinho@uol.com.br.

P.S. Quando o filme estava em cartaz, escrevi um artigo para o site Críticos.Com, em que comentava o filme sob a perspectiva de um jornalista que, de alguma forma, lida com o Judiciário. Abaixo, um trecho do texto. Leia a íntegra aqui.

"(...) Os contrastes estendem-se aos quase absurdos diálogos entre juízes e réus. O palavrório tecnicista da legislação, por vezes contornado pela paciência e o esmero de magistrados como Geraldo Prado, soa ininteligível para os acusados, cujas manifestações - titubeantes, hesitantes, descoordenadas - são o retrato bem delineado da falência da Educação brasileira. Este fosso entre o que os agentes do Judiciário pugnam e aplicam e aquilo no que tais teorias se transformam quando chegam na vida real poderá espantar espectadores que só conhecem “sistemas judiciários” a partir do exemplo americano, popularizado por intermédio do tradicional subgênero dos filmes de tribunal. O susto, no entanto, não é só deles. Também os que têm uma relação mais próxima com o tema podem se surpreender. Assino embaixo.(...)"



 Escrito por Marcelo às 09h36
[   ] [ envie esta mensagem ]




Frase

"Vomitar o quê, se nada comemos?"

A frase é de Fernando Sabino e consta de uma das correspondências reunidas no livro Cartas na mesa. Ontem, o amigo Henrique Rodrigues me perguntava se não concordo que a assertiva pode se aplicar à nossa geração de escritores, músicos, pintores, dramaturgos... Se nós, que andamos aqui pelos 25, 30, 35 anos, talvez não precisemos comer mais antes de qualquer coisa. Desde então ando pensando sobre isso. Sem conclusões ainda.



 Escrito por Marcelo às 12h11
[   ] [ envie esta mensagem ]




Jorge de Sena

"Uma pequenina luz bruxuleante
não na distância brilhando no extremo da estrada
aqui no meio de nós e a multidão em volta
une toute petite lumière
just a little light
una picolla... em todas as línguas do mundo
uma pequena luz bruxuleante
brilhando incerta mas brilhando
aqui no meio de nós
entre o bafo quente da multidão
a ventania dos cerros e a brisa dos mares
e o sopro azedo dos que a não vêem
só a adivinham e raivosamente assopram.
Uma pequena luz
que vacila exacta
que bruxuleia firme
que não ilumina apenas brilha.
Chamaram-lhe voz ouviram-na e é muda.
Muda como a exactidão como a firmeza
como a justiça.
Brilhando indeflectível.
Silenciosa não crepita
não consome não custa dinheiro.
Não é ela que custa dinheiro.
Não aquece também os que de frio se juntam.
Não ilumina também os rostos que se curvam.
Apenas brilha bruxuleia ondeia
indefectível próxima dourada.
Tudo é incerto ou falso ou violento: brilha.
Tudo é terror vaidade orgulho teimosia: brilha.
Tudo é pensamento realidade sensação saber: brilha.
Tudo é treva ou claridade contra a mesma treva: brilha.
Desde sempre ou desde nunca para sempre ou não:
brilha.
Uma pequenina luz bruxuleante e muda
como a exactidão como a firmeza
como a justiça.
Apenas como elas.
Mas brilha.
Não na distância. Aqui
no meio de nós.
Brilha"

Jorge de Sena



 Escrito por Marcelo às 12h00
[   ] [ envie esta mensagem ]




Megazine

Aliás, em O Globo de ontem vale menção também à bela matéria de capa do Megazine, intitulada Fragmentos da vida. A repórter Ediane Merola entrevistou a família de alguns dos jovens mortos da recente chacina de Queimados, apurando quais eram os objetos e gostos preferidos - um relógio, uma lata de leite condensado, um cd de forró, um videogame... - e também objetivos da vida de cada um. Ao aproximá-los de nós através desses sentimentos e afeições tão humanas, a jornalista conseguiu diminuir um pouco o fosso que parece existir entre a nossa e a realidade deles. E a destituir a "coisificação" (conceito do grande Jurandir Freire Costa) que muitas vezes lhe legamos. 



 Escrito por Marcelo às 11h59
[   ] [ envie esta mensagem ]




Jovem Guarda

Em resenha publicada ontem no Segundo Caderno (O Globo), o amigo Hugo Sukman foi muito além de simplesmente analisar o disco em questão - no caso, a coletânea Um barzinho, um violão. Ele conseguiu fazer uma análise sintética e precisa do que significou a Jovem Guarda para a música popular brasileira. Concordo da primeira à última linha. Segue o texto na íntegra:

"Programa de TV, mito, fenômeno sociológico é celebrado pelo que não é: movimento musical"

Hugo Sukman

"Jovem Guarda, a rigor, foi um programa de TV apresentado por Roberto Carlos. Neste 2005 comemora-se 40 anos de sua estréia na TV Record. Foi um “Domingão do Faustão” da época, mas dedicado só à música.
De programa de TV virou mito por três motivos: o extraordinário e perene sucesso pessoal de Roberto Carlos (e seu Sancho Pança, o grande Erasmo); ter sido adotado pelo tropicalismo como um dos ícones de uma canção popular desprezada como lixo cultural pelas elites bem pensantes (simbolizada na MPB de extração universitária); ter introduzido de fato no Brasil, talvez único país do Ocidente a estar até então incólume ao rock e congêneres, a cultura pop jovem e globalizada. Esses três fatos transformaram a Jovem Guarda de programa de TV em fenômeno sociológico.
Mas, como diria Tim Maia, que ensinou violão a Roberto, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. E a Jovem Guarda, de fenômeno sociológico virou, empurrado pela nostalgia da juventude perdida, movimento musical.
Não é fenômeno exclusivamente brasileiro. A intelectualizada França também celebra roquinhos tipo “Banho de lua” como símbolo da canção francesa dos anos 60, fingindo esquecer que se trata de “Tintarella di luna”, uma canção italiana que, como os rocks-baladas americanos da época, era lançada simultaneamente no mundo inteiro por intérpretes locais, vertida para a língua nacional.
O CD/DVD ao vivo “Um barzinho, um violão — Jovem Guarda” (Universal) celebra justamente tudo que a Jovem Guarda não é, um movimento musical. Por isso, seus melhores momentos nada tem a ver com a tal Jovem Guarda. Como quando Zeca Pagodinho canta o samba-jóia “Coqueiro verde”, um Erasmo Carlos das melhores safras, 1970, acompanhado dos violões de Mauro Diniz e Carlinhos 7 Cordas.
Musicalmente, à exceção de pouco mais que a produção de Roberto e Erasmo — e que só ficaria boa mesmo quando a JG já era precoce saudade — a Jovem Guarda era só roquinhos e baladas de branco, apelidados de iê-iê-iês, americanos, italianos, ou, se brasileiros, copiando o seu chacundum, seu clima caipira e suas letras melosas.
O charme do disco é trazer as canções dos tempos da Jovem Guarda em interpretações de artistas de fora do “movimento” e em versões (como se convencionou chamar) acústicas. Mas, como se viu no caso de Zeca, a amplitude estética é tão restrita que se recorreu a canções de fora. Como, da mesma boa safra de Erasmo, a tão triste balada “Sentado à beira do caminho”, por Fernanda Porto. Ou “Se você pensa”, por Pedro Mariano, um Roberto Carlos de 1968 começando a sua melhor fase, já influenciado mais pela música negra do que pelo sem-gracíssimo ie-ie-iê.
De fato, da época da JG pouca coisa sobreviveu. Basta ouvir intérpretes do nível profisssional de uma Daniela Mercury ou de um Roupa Nova em canções fragilíssimas como “Esqueça” (versão de “Forget it”) ou “Pensando nela” (de “Bus stop”), esta com bela performance vocal do conjunto, que jamais entrariam no repertório deles. Ou Fernanda Takai (do Pato Fu) e Rodrigo Amarante (Los Hermanos) cantando, até bonitinhos se fosse cena de um filme nostálgico, a balada “Ritmo da chuva” mostrando que o futuro rock brasileiro nada tem a ver com a Jovem Guarda — o rock brasileiro é originário do tropicalismo (Mutantes) e de influências várias do rock anglo-americano; a Jovem Guarda é, isto sim, origem da moderna música brega brasileira e sobretudo do neo-sertanejo.
Ideologicamente, Caetano abre o disco reinventando, numa daquelas suas certeiras versões voz e violão para babas antigas, “Só vou gostar de quem gosta de mim”, sucesso de Roberto, raro exemplo autoral de Rossini Pinto, o maior dos versionistas.
Mas a mais representativa faixa é a de Luiza Possi, na balada caipira “Coração de papel”, de Sérgio Reis. Este autor sim mantém-se, até hoje, no espírito original da Jovem Guarda."



 Escrito por Marcelo às 11h47
[   ] [ envie esta mensagem ]




Dalva de Oliveira

O que é o arranjo de Tom Jobim para Saia do caminho (Custódio Mesquita/Ewaldo Ruy) no disco Grossas nuvens de amor, da Dalva de Oliveira? Aliás, que álbum bem orquestrado! Além do Tom, mestre Lindolfo Gaya, Severino Araújo e Leo Peracchi valorizam ainda mais as canções de Noel, Herivelto, Elton Medeiros, Hermínio Bello de Carvalho e Lupiscínio Rodrigues. Um disco bonito à beça - e triste que só.  



 Escrito por Marcelo às 13h20
[   ] [ envie esta mensagem ]




Pérola negra

Só vi ontem, em reprise, a apresentação dela - aquela em que a música repentinamente parou. Ainda assim deu pra emocionar...



 Escrito por Marcelo às 10h21
[   ] [ envie esta mensagem ]




No som, com a Nana

"Beijo partido"

Toninho Horta

"Sabe, eu não faço fé nessa minha loucura
E digo: eu não gosto de quem me arruína em pedaços
E Deus é quem sabe de ti
E eu não mereço um beijo partido.
Hoje não passa de um dia perdido no tempo
E fico longe de tudo o que sei
Não se fala mais nisso
Eu sei, eu serei pra você o que não me importa saber
Hoje não passo de um vaso quebrado no peito
E grito: olha o beijo partido
Onde estará a rainha
Que a lucidez escondeu?"



 Escrito por Marcelo às 10h03
[   ] [ envie esta mensagem ]




Beckett

"Cascando"

Samuel Beckett

1.

fosse apenas o desespero da
ocasião da
descarga de palavreado

perguntando se não será melhor abortar que ser estéril

as horas tão pesadas depois de te ires embora
começarão sempre a arrastar-se cedo demais
as garras agarradas às cegas à cama da fome

trazendo à tona os ossos os velhos amores
órbitas vazias cheias em tempos de olhos como os teus
sempre todas perguntando se será melhor cedo de mais do que nunca
com a fome negra a manchar-lhes as caras
a dizer outra vez nove dias sem nunca flutuar o amado
nem nove meses
nem nove vidas

2.

a dizer outra vez
se não me ensinares eu não aprendo
a dizer outra vez que há uma última vez
mesmo para as últimas vezes
últimas vezes em que se implora
últimas vezes em que se ama
em que se sabe e não se sabe em que se finge
uma última vez mesmo para as últimas vezes em que se diz
se não me amares eu não serei amado
se eu não te amar eu não amarei

palavras rançosas a revolver outra vez no coração
amor amor amor pancada da velha batedeira
pilando o soro inalterável
das palavras

aterrorizado outra vez
de não amar
de amar e não seres tu
de ser amado e não ser por ti
de saber e não saber e fingir
e fingir

eu e todos os outros que te hão-de amar
se te amarem

3.

a não ser que te amem"



 Escrito por Marcelo às 09h53
[   ] [ envie esta mensagem ]




Hilda

"Se for possível, manda-me dizer:
- É lua cheia. A casa está vazia -
Manda-me dizer, e o paraíso
Há de ficar mais perto, e mais recente
Me há de parecer teu rosto incerto.
Manda-me buscar se tens o dia
Tão longo como a noite. Se é verdade
Que sem mim só vês monotonia.
E se te lembras do brilho das marés
De alguns peixes rosados
Numas águas
E dos meus pés molhados, manda-me dizer:
- É lua nova -
E revestida de luz te volto a ver".

Hilda Hilst



 Escrito por Marcelo às 09h34
[   ] [ envie esta mensagem ]




Camila Costa

 

Amiga querida, cantora de voz delicada e sofisticadíssimo gosto musical, Camila Costa acaba de lançar Reflexo, o seu primeiro disco solo. O show de lançamento do cd da moça, que ao lado da também amiga e não menos talentosa Nilze Carvalho integra o grupo Sururu na Roda, será no próximo dia 27, no Teatro Rival. Eu estarei lá. Hoje, o Caderno B publicou resenha do chapa Luís "Pimenta" Pimentel sobre o trabalho da Camila. Segue o texto:

"Uma nova e deliciosa voz na MPB"

Luís Pimentel

"Quem freqüenta as casas de shows do circuito Lapa-Tiradentes, sobretudo o público do Centro Cultural Carioca, já conhece o trabalho delicado e a postura discreta da violonista e cantora Camila Costa, que se apresenta com o excelente grupo de samba e choro Sururu na Roda. Cantar e tocar com esse pessoal significa exatamente dividir o palco com gente do gabarito da bandolinista, cavaquinista e cantora Nilze Carvalho, uma jóia raríssima da MPB. Camila divide, soma e dá conta do recado.

Escolada no repertório dos grandes nomes da nossa música, Camila resolveu partir para o seu primeiro disco solo, Reflexo (Fina Flor), em que interpreta canções de sua autoria - algumas em parceria com o arranjador e produtor Ruy Quaresma - e outras assinadas por craques como Chico Buarque (Meu guri, numa interpretação vigorosa e equilibrada) e Fátima Guedes (uma das nossas maiores compositoras, que comparece com uma pepita chamada Escritório).

Melodista de acordes suaves e letrista de extremo cuidado com as palavras (''À deriva meu corpo/ procurando a morada do seu porto/ e num tempo onde o próprio tempo esmaga'', O grande lobo do mar), Camila Costa fez um disco limpo e delicioso, onde os arranjos (que contaram também com o reforço do mestre Gilson Peranzeta) e a direção artística de Ruy Quaresma equilibram todos os sons ao ritmo de suas palavras e ao tempo de sua voz de acalanto.

Camila tem apenas 23 anos, mas tem também uma ótima formação musical. Além de estar há cinco anos no time do Sururu, é formada em licenciatura plena em música pela Uni-Rio e já venceu alguns festivais pelo Brasil. Em Reflexo ela contou com uma equipe de músicos do primeiríssimo time, como o baixista Zé Luiz Maia, o pianista Itamar Assiere e o violonista Carlinhos 7 Cordas, o cracaço do Toque de Prima.

Bela estréia, belo disco."



 Escrito por Marcelo às 17h27
[   ] [ envie esta mensagem ]




Pizarnick, sempre

"um olhar desde o esgoto
pode ser uma visão do mundo

a revolta consiste em olhar uma rosa
até pulverizar os olhos"

Alejandra Pizarnik



 Escrito por Marcelo às 13h58
[   ] [ envie esta mensagem ]




Tempo

"Quando agora te debruças sobre a água do tanque, vês projectado, lá no fundo, um relógio sem ponteiros. Percebes, então, que a ferrugem é também uma qualidade e um atributo da água, e não apenas de alguns metais a que chamamos vis. E percebes ainda que já não são necessários os relógios. Tu já não tens idade, nem o tempo, que partilha do halo e da fluidez da água e é, às vezes, como ela, tão inodoro e insípido, se deixa prender, mesmo num vaso de cristal. E não podes, assim, medir-lhe a respiração. A sua duração, se preferes. Se alguma ainda subsiste, é a que é regulada pelos ponteiros do seu próprio corpo."

Albano Martins



 Escrito por Marcelo às 13h52
[   ] [ envie esta mensagem ]




Canção para hoje

"Todo amor que houver nessa vida"

Cazuza
         
"Eu quero a sorte de um amor tranquilo
Com sabor de fruta mordida
Nós na batida, no embalo da rede
Matando a sede na saliva
Ser teu pão, ser tua comida
Todo amor que houver nessa vida
E algum trocado pra dar garantia
E ser artista no nosso convívio
Pelo inferno e céu de todo dia
Pra poesia que a gente não vive
Transformar o tédio em melodia
Ser teu pão, ser tua comida
Todo amor que houver nessa vida
E algum veneno anti-monotonia
E se eu achar a sua fonte escondida
Te alcanço em cheio o mel e a ferida
E o corpo inteiro feito um furacão
Boca, nuca, mão, e a tua mente, não
Ser teu pão, ser tua comida
Todo amor que houver nessa vida
E algum remédio que me dê alegria"



 Escrito por Marcelo às 13h45
[   ] [ envie esta mensagem ]




Kawabata

No sábado passado, o Prosa & Verso (O Globo) publicou resenha minha sobre dois romances do japonês Yasunari Kawabata, escritor ainda não muito conhecido por nossas bandas. Segue a íntegra do texto:

Literatura das sensações

Marcelo Moutinho

Morte e erotismo são os dois temas que se amalgamam e cimentam em essência a literatura do japonês Yasunari Kawabata, Nobel de 1968, cuja obra está sendo relançada no Brasil com dois de seus mais importantes livros: “O País das neves” (1937) e “A casa das belas adormecidas” (1960). A dolorida noção da transitoriedade da vida, presente nestes e em outros romances dele, é cifrada por um olhar sensível, que dispensa à narrativa tons e semitons nuançados, como se o texto fosse uma pintura impressionista cunhada em sensações, em sutilezas, em subentendidos.
Formado em literatura pela Universidade Imperial de Tóquio, o escritor foi um dos fundadores da revista “Bungei Jidai”, publicação de vanguarda influenciada pelo surrealismo, e destacado integrante da chamada Shinkankuha, corrente neo-sensorialista que revolucionou as letras japonesas, opondo-se ao realismo clássico. Kawabata e seus colegas professavam a captura mais direta dos sentimentos, apostando na rarefação narrativa e no lirismo.
Em ambos os livros, traduzidos diretamente do japonês, esses traços são evidentes. No primeiro, o leitor é posto diante de um triângulo amoroso apenas sugerido entre um intelectual de meia-idade que mora em Tóquio, uma gueixa e uma jovem, cujo rosto ficará para sempre fixado na mente do protagonista, desde que o vislumbrou refletido na janela embaçada do trem em que viajava para a estação termal do País das Neves.
As mornas relações entre os três suscitam uma inércia que parece contradizer os desejos reprimidos que os envolvem, explorados no livro sem dramaticidade. Ao contrário: o desenrolar da história se dá sob a égide da improbabilidade de que seja acesa a fagulha necessária para efetivar algum ponto de ruptura entre eles e, à medida que a narrativa se alonga, a obsessiva descrição dos efeitos do tempo sobre a natureza somente reforça tal perspectiva. Há uma espécie de apatia branca que transborda do inverno rigoroso para o interior dos personagens.
Kawabata investe na tensão entre a natureza — em si “pura” e cuja percepção seria capaz de suspender o instante, fixando-o no perene — e o verdadeiro turbilhão de conflitos que circunda (e por vezes paralisa) o homem. Por intermédio dos personagens, sublinha o poder depurador da natureza. Por exemplo, quando revela como “era agradável”, para o intelectual, “pensar no sol da manhã batendo no linho branco estendido sobre a neve espessa, na neve ou no tecido, ambos tingidos de vermelho por sua luz, pois lhe parecia que a sujeira do verão seria totalmente eliminada e que o seu próprio ser ficaria purificado”. Outro aspecto importante são as referências à cultura japonesa, vertida em vestuário e rituais definidores de uma rígida hierarquia. É uma pena que, apesar das notas de rodapé, essa riqueza possivelmente vá fugir ao leitor brasileiro.
No sensual “A casa das belas adormecidas”, a tão ansiada “pureza” desloca-se da natureza para a figura feminina. O protagonista da trama é Eguchi, que, ao completar 67 anos, resolve conhecer a tal casa que dá nome ao livro. Trata-se de local onde anciãos passam a noite ao lado de moças que, entorpecidas por forte sedativo, dormem profundamente.
A metáfora da beleza e da vitalidade roubadas das meninas pelos freqüentadores da casa — e pelo protagonista — é a força-motriz do romance. “Ali eles não sentiriam apenas o pesar da velhice, sua fealdade e miséria, mas estariam se sentindo repletos da dádiva da vida jovem. Para um homem no extremo limite da sua velhice, não haveria um momento em que pudesse se esquecer por completo de si mesmo, a não ser quando envolvido por inteiro pelo corpo da jovem mulher”, observa o narrador, para quem “a pele e o cheiro das jovens garotas seriam, então, o perdão e o consolo desses pobres velhotes”.
Assim como o intelectual, quando amargurado, dedica-se a passeios pelo campos do País das Neves, os idosos recorrem à casa das belas adormecidas. “Quando se deitavam em contato com a nudez da jovem mulher, os sentimentos que ressurgiam do fundo do seus âmagos talvez não fossem apenas o medo da morte que se aproximava ou o lamento pela juventude perdida. Talvez houvesse neles também certo arrependimento pelos pecados cometidos, ou pela infelicidade no lar, coisa muito comum nas famílias dos vencedores”, diz o narrador.
Cada garota com quem Eguchi divide a cama trará a recordação de uma mulher que passou por sua vida. Cada uma suscita imagens que a memória cunhou de forma minuciosa e definitiva, e retornam nesse período outonal, quando a serenidade permite o balanço do passado. As moças representam, então, mais um espelho (no caso, retrovisor), entre os tantos que distinguem a obra de Kawabata. Que, igualmente a seus personagens, namorou por toda a existência a solidão. E levou sua obsessão pela morte até o desenlace trágico: o suicídio, com a ajuda de uma mangueira de gás, em 1972.

MARCELO MOUTINHO é jornalista e escritor



 Escrito por Marcelo às 13h06
[   ] [ envie esta mensagem ]




Segundo tempo

Jogo no intervalo. Nada para nós é fácil...



 Escrito por Marcelo às 12h57
[   ] [ envie esta mensagem ]




Trilha-sonora dos leves dias que correm...

"Mais simples"

Zé Miguel Wisnik

"É sobre-humano amar
'cê sabe muito bem
É sobre-humano amar, sentir,
Doer, gozar
Ser feliz
Vê quem sou eu quem te diz
Não fique triste assim
É soberano e está em ti querer até
Muito mais
A vida leva e traz
A vida faz e refaz
Será que quer achar
Sua expressão mais simples?
Mas deixa tudo e me chama
Eu gosto de te ter
Como se já não fosse a coisa mais humana
Esquecer
É sobre-humano viver
E como não seria
Sinto que fiz esta canção em parceria
Com você
A vida leva e traz
A vida faz e refaz
Será que quer achar
Sua expressão mais simples?"



 Escrito por Marcelo às 15h52
[   ] [ envie esta mensagem ]




Bizarrices

Deu na Folha de S. Paulo (o grifo é meu):

"Aposentado tenta estuprar cadela"

Por Daniela Oliveira

"Na noite de ontem, o aposentado Edson Trajano de Melo, 62, deixou a mulher com quem é casado há 26 anos em casa, tomou todas em um bar e foi em busca de "Tiazinha", nome de uma cadela que perambulava pelo bairro de Nova Descoberta. Por volta das 20h, ele foi preso em flagrante, inicialmente, por tentativa de estupro contra a cadela. Difícil de acreditar, mas Edson foi flagrado pela dona do animal com as calças abaixadas, num matagal escuro, por trás da igreja de Nova Descoberta, e com a "Tiazinha" no colo. Edson já era acusado pelos moradores do bairro, de ter atentado contra o pudor da vira-lata outras três vezes.

"Minha filha viu quando este senhor pegou Tiazinha em frente à igreja e a levou para os fundos. Ai ela me avisou e fomos com mais três rapazes flagrá-lo. Quando ele nos viu, saiu correndo, com as calças arriadas, mas conseguimos pegá-lo e trazê-lo para o Posto Policial", contou a dona da cadela, a doméstica Sônia Maria da Silva, 50. "Não quero que o prendam, apenas que ele deixe a minha cachorra em paz e que tome juízo, pois ele é um homem casado", disse Sônia.

Edson negou que tenha estuprado "Tiazinha" desta vez e das outras também, mas confirmou que se sentiu atraído pela cadela. "Ela passava por mim se remexendo, me seduzindo, mas eu nunca quis nada com ela. Mas, desta vez, fui tentar e fui pego. Mas não cheguei a fazer nada", contou.

O aposentado foi levado por policiais militares para a Delegacia de Casa Amarela, onde foi ouvido pelo delegado José Antônio da Silva. Ele informou que encaminhará o caso para a Delegacia da Macaxeira, local onde será aberto um inquérito policial para apurar as circunstâncias e saber em que artigo do Código Penal pode ser enquadrado o ato, já que se trata de um caso inusitado. O aposentado passou a noite na delegacia, sendo liberado hoje. Já "Tiazinha" foi para casa com a sua dona."

O que nos falta mais em termos de bizarro, hein?



 Escrito por Marcelo às 15h35
[   ] [ envie esta mensagem ]




Tutty e o Rio

Muito divertida e pertinente a crônica de Tutty Vazques na última edição da Veja Rio, em que ele trata da visão 'carregada' e equivocada que muitas vezes tem do Rio de Janeiro quem não vive aqui. É claro que as flechas continuam sagrando o peito de nosso padroeiro (a recente chacina é só mais uma prova disso), mas concordo com o colunista quando reafirma, sem bairrismo barato, que apesar de tudo morar nesta cidade é um bálsamo... 

"O inferno de morar no paraíso"

Tutty Vasques

"Viver no Rio de Janeiro é assim mesmo como mostra a TV?" Quando viajamos pelo imenso Brasil que só nos conhece de ouvir falar em manchetes do Jornal Nacional, somos tratados como se tivéssemos saído de um filme de faroeste. Nem se importam muito se você é mocinho ou bandido, querem logo saber como é um bangue-bangue de perto: as balas traçantes, as granadas, arrastões, ataques a turistas nas praias, toque de recolher nas favelas, pitboys nas boates, tiroteios no Rebouças, os hospitais de campanha, corre-corre daqui, bombas de efeito moral dali, a aventura de parar no sinal vermelho, carros blindados, Rosinha, a vida, como se imagina, numa cidade sem lei. Para o resto do país somos sobreviventes de guerra, pracinhas pós-modernos, ícones da resistência ao crime organizado. Nós e aquela tartaruga paraplégica de Copacabana, cujo drama o noticiário de 2004 transformou no cúmulo da estupidez das balas perdidas. Tento explicar que esse filme não é bem assim, mas não creio estar sendo convincente. Ninguém mais acredita no meu deslumbramento pelo lugar onde nasci e resido há cinqüenta anos. Passo de vítima potencial a mentiroso contumaz sempre que relativizo o caos na rotina carioca.

Sinto que soaria mais verdadeiro dizer que não saio de casa sem capacete e colete à prova de bala, ou que há seis meses não visito minha irmã, na Barra da Tijuca, para não correr os riscos de passar pela Rocinha. Medo de assalto, seqüestro, falsas blitze, guerras de quadrilha, invasão policial, golpes de facas ninjas, microondas de corpos, qualquer barbárie dessas tem hoje muito mais verossimilhança entre a opinião pública – ô raça! – do que minha experiência paradisíaca no inferno. Caminhar no Jardim Botânico, visitar a estátua do Zózimo Barrozo do Amaral no avarandado do Leblon, correr pela praia até o Arpoador, nada disso parece muito razoável para ilustrar uma zona de conflito. Que graça tem para quem nos imagina acuados saber que no itinerário casa–trabalho vejo o Dois Irmãos, as Cagarras, o Pão de Açúcar, a enseada de Botafogo, a Baía de Guanabara, o Parque do Flamengo, o Chico Buarque namorando com água pelo umbigo, e o Redentor, que lindo!?

Como explicar a quem conhece nossas estatísticas oficiais de roubo de carro que o meu dorme na rua? Meus filhos estudam a 200 metros de uma favela, moro a 500 metros de outra. Tomo umas e outras de madrugada no Palaphita contando estrelas no espelho-d'água da Lagoa, atravesso o túnel para visitar meus pais, vou à praia deserta na Reserva, faço análise no Jardim Botânico, RPG em Copacabana, meu dentista fica em Ipanema, trabalho na Glória, minha filha pega ônibus para chegar à faculdade, passeio com meu cão, vou à feira e à Letras & Expressões. Zona Sul da Dias Ferreira, Guimas da Gávea, Tanakinha, Bracarense, Siri Mole, cineminha no Downtown, culinária orgânica no Vegetariano Social Clube, queijo de cabra com folhas no Quadrifoglio, a Cobal, o Talho Capixaba, a Devassa... Ando ligado, porém tranqüilo, no lado mais rico do Rio, aquela região da cidade onde ninguém mora a mais de 1 quilômetro de uma favela.

Por lá, não há fronteiras definidas entre o inferno e o paraíso. A maldade e o bom humor, a solidariedade e o descaso, o feio e o bonito, a vanguarda e o atraso, o rico e o excluído, o preto e o branco, o prazer e a dor, o gentil e o agressivo, tudo o que é próprio do ser humano – ô raça! – convive em total promiscuidade social que se espraia entre o mar, a montanha, a lagoa e a baía. Nenhum carioca está livre de virar a esquina e entrar de gaiato num fogo cruzado qualquer dessas tensões, mas com um tanto de cuidado – fique esperto! – e a ajuda de Deus, mais a bênção de Nossa Senhora de Aparecida e do meu querido Menininho Jesus de Praga, que maravilha viver nesta cidade! Aqui somos todos, homens de bem e bondes do mal, coadjuvantes da paisagem, figurantes da natureza. A metrópole mais linda do mundo não foi feita pelo homem, como Paris ou Nova York. É obra de Deus.

A esta altura do papo no bar de uma cidadezinha qualquer do interior, quando em geral já me deixaram falando sozinho, reflito em silêncio sobre esse papel de forasteiro a que tenho me prestado, mesmo quando estou em casa, cercado por micos, tucanos, macacos, maritacas e os malditos gambás dessas matas que cercam o cafofo. Estou quase sempre sozinho, em todos os sentidos, quando falo bem do Rio. Com todo o respeito aos vizinhos que não agüentam mais viver aqui – falo da turma que busca abrigo nas bolhas de indignação de movimentos do gênero "Basta!" –, devo deixar claro que não guardo saudosismos da Cidade Maravilhosa. Naquela época – eu era garoto no início dos anos 60 –, faltava água, havia racionamento de energia, a Invernada de Olaria batia... Se bem que o Rio de Janeiro já era extremamente violento no tempo de Estácio de Sá, seu fundador.

Os primeiros a não agüentar mais a vida por aqui foram os índios, coitados. Sônia Braga teve melhor sorte: se mandou para Manhattan. Luana Piovani passa longas temporadas em Paris, Roberta Close faz um tempão mora na Suíça e o próprio Gianecchini, neomorador da Gávea, ao que parece não voltará nunca mais de Los Angeles. Não fosse o Washington Olivetto montar apartamento de veraneio em Ipanema, a praia ficaria praticamente vazia nestes domingos de sol outonal. Brincadeira! O publicitário é só uma espécie de cereja no bolo de paulistanos que vêm migrando, ainda que parcialmente, para o Rio. Estão por toda parte, existe inclusive uma comunidade deles estabelecida no Leblon, de maneira que ninguém precisa mais ir a São Paulo para arrumar bons amigos paulistanos. Parece um sonho, né não? Tem cada moça linda de lá vivendo aqui pertinho da Gávea.

Aos cariocas desgostosos com as autoridades e em crise de depressão com o noticiário local, recomendo um pouco mais de reflexão nas próximas eleições. Até lá, catar cocô de cachorro e não estacionar carro sobre calçadas já é uma tremenda ajuda para levantar o astral da cidade. Vamos lá, rapaz, sorria, você nasceu no Rio de Janeiro! Ou os paulistas vão acabar dominando tudo por aqui."



 Escrito por Marcelo às 11h59
[   ] [ envie esta mensagem ]




Jorge de Sena

"A felicidade sentava-se todos os dias no peitoril da janela.

Tinha feições de menino inconsolável.
Um menino impúbere
ainda sem amor para ninguém,
gostando apenas de demorar as mãos
ou de roçar lentamente o cabelo pelas faces humanas.

E, como menino que era,
achava um grande mistério no seu próprio nome".

Jorge de Sena



 Escrito por Marcelo às 11h37
[   ] [ envie esta mensagem ]




Novidades no Especial Paralelos

O Especial Trezentos Toques da Paralelos está ainda mais incrementado hoje, com algumas novidades. Entre elas, uma simpática matéria do amigo Augusto Sales sobre o livro que eu e Mariana Newslands lançaremos no segundo semestre. O site publica também quatro dos minicontos que estarão no volume. Abaixo, um trecho do texto do Sales. Leia a íntegra aqui



 Escrito por Marcelo às 11h33
[   ] [ envie esta mensagem ]




Especial 300 caracteres

O site Paralelos publica hoje, em edição especial, uma seleta de minicontos com até 300 caracteres. Estão lá textos de vários amigos, como Rosana Caiado, Crib Tanaka, Miguel Conde, Moniquinha Ramalho, Antonio Dutra, Christiane Tassis, Ana Beatriz Guerra, Tony Monti, JP Cuenca, Caco Belmonte, Augusto Sales e Gustavo de Almeida, além de mim, é claro... O Editorial inclusive faz menção ao livro que eu e a talentosa Mariana Newslands lançaremos no final deste ano, unindo 20 de minhas micronarrativas a imagens especialmente feitas por ela. Acesse o Paralelos aqui



 Escrito por Marcelo às 11h15
[   ] [ envie esta mensagem ]




Pizarnick + Munch

"La luz es demasiado grande
para mi infancia.
Pero ¿quién me dará la respuesta jamás usada?
Alguna palabra que me ampare del viento,
alguna verdad pequeña en que sentarme
y desde la cual vivirme,
alguna frase solamente mía
que yo abrace cada noche,
en la que me reconozca, en la que me exista.

pero no. Mi infancia
sólo comprende al viento feroz
que me aventó al frío
cuando campanas muertas
me anunciaron.

Sólo una melodía vieja,
algo con niños de oro, con alas de piel verde,
caliente, sabio como el mar,
que tirita desde mi sangre,
que renueva mi cansancio de otras edades".

Alejandra Pizarnik

P.S. O quadro é o belíssimo Puberdade, de Munch...



 Escrito por Marcelo às 10h29
[   ] [ envie esta mensagem ]




Porque lembrei desta canção ontem

"Luz e mistério"

Beto Guedes / Caetano Veloso

"Oh! Meu grande bem
Pudesse eu ver a estrada
Pudesse eu Ter
A rota certa que levasse até
Dentro de ti
Oh! meu grande bem
Só vejo pistas falsas
É sempre assim
Cada picada aberta me tem mais
Fechado em mim

És um luar
Ao mesmo tempo luz e mistério
Como encontrar
A chave desse teu riso sério

Doçura de luz
Amargo a sombra escura
Procuro em vão
Banhar-me em ti
E poder decifrar teu coração

És um luar
Ao mesmo tempo luz e mistério
Como encontrar
A chave desse teu riso sério
O grande mistério, meu bem, doce luz
Abrir as portas desse império teu
E ser feliz"



 Escrito por Marcelo às 09h57
[   ] [ envie esta mensagem ]




Brazooka em promoção

O Janot manda avisar que na comunidade da Brazooka no Orkut está rolando uma lista promocional para a edição do próximo sábado, no Odisséia. Quem se inscrever lá, paga apenas R$ 10 para entrar.



 Escrito por Marcelo às 09h56
[   ] [ envie esta mensagem ]




Cristina Buarque

Chego agorinha da Pedro Lessa, onde o Carlinhos havia reservado para mim mais uma preciosidade: Cristina, o disco que Cristina Buarque gravou pela finada Ariola em 1981. A álbum traz composições do irmão mais famoso (O meu guri), de Vinícius de Moraes (Cem por cento), Noel Rosa (Pela décima vez), Alvaiade e Monarco (Vida de rainha), João Bosco e Aldyr (Perversa), João da Baiana (Quando a polícia chegar), Ivone Lara (Outra você não me faz) e Pedro Caetano (Foi uma pedra que rolou, hoje muito conhecida pelo fãs da Teresa Cristina), entre outros autores, e conta com participação especialíssimas de Clementina de Jesus e da Velha Guarda da Portela. Fiquei curioso para ler a ficha técnica... Entre as canções que ouvi, destaco Quando quiseres, pelo feliz casamento entre a melodia sinuosa e a voz delicada da Cristina nos versos simples de Manacéa: "Quando você se arrepender / E quiser que o nosso amor volte a viver / O meu coração não lhe aceitará Você de tristeza vai chorar", e também a dulcíssima valsa Canção das infelizes, de Donga e Luiz Peixoto, cuja letra posto abaixo. Uma beleza; uma beleza...

"Canção das infelizes"

Donga / Luiz Peixoto

"São as mulheres raízes

Com frontes muito elevadas

Umas são sempre felizes

Outras as mais desgraçadas

Há as que amam na vida

E as que só vivem amadas

Sofrem as mais esquecidas

Gozam as sempre lembradas

Eu que quis alguém que não me quis bem

Agora também não quero ninguém

Dei meu amor, deixaram perder

Eu morro de dor, mas hei de esquecer

O coração das mulheres

Quando um amor agasalha

Ou dá milhões de prazeres

Ou corta mais que navalha

A infeliz quando ama

Não há amor igual ao dela

Anda mais baixa que a lama

E sobe mais que uma estrela

Eu quis alguém

Que não me quis bem

Agora também não quero ninguém

Se meu amor, deixaram perder

Eu morro de dor, mas hei de esquecer" 



 Escrito por Marcelo às 12h35
[   ] [ envie esta mensagem ]




Bebeto na Brazooka

  

Quem tem em torno de 30 anos lembra razoavelmente dele. Falo do Bebeto, espécie de Jorge Ben dos subúrbios, que levava multidões aos bailes dos anos 70 para ouvir seu 'samba-rock', vertido em sucessos (talvez apenas locais) como Menina Carolina (que Seu Jorge cita em sua Carolina), Salve elaA beleza é você, menina. Quando eu morava em Madureira, era comum ver cartazes anunciando os seus shows nos postes do bairro. O cara era uma sensação para a turma que curtia dançar. Dito tudo isso, a boa notícia é que quem, assim como eu, nunca assistiu a um show do moço, poderá fazê-lo no próximo sábado, quando Bebeto será a atração da Superbrazooka que o amigo Janot comanda no Teatro Odisséia. Antes e depois da apresentação do cantor, o dj garante música brasileira de qualidade nas carrapetas. Estarei lá.



 Escrito por Marcelo às 10h38
[   ] [ envie esta mensagem ]




Cortázar

"Por veredas de sueño y habitaciones sordas
tus rendidos veranos me acechan con sus cantos
Una cifra vigilante y sigilosa
va por los arrabales llamándome y llamándome
pero qué falta, dime, en la tarjeta diminuta
Dónde están tu nombre y tu calle y tu desvelo
si la cifra se mezcla con las letras del sueño
si solamente estás donde ya no te busco"

Julio Cortázar



 Escrito por Marcelo às 10h14
[   ] [ envie esta mensagem ]




cummings

"pode nem sempre ser assim; e eu digo
que se os teus lábios, que amei, tocarem
os de outro, e os teus dedos fortes e meigos cingirem
o seu coração, como o meu em tempos não muito distantes;
se na face de outro os teus suaves cabelos repousarem
nesse silêncio que eu sei, ou nessas
palavras sublimes e estremecidas que, dizendo demasiado
ficam desamparadamente diante do espírito vozeando;

se assim for, eu digo se assim for -
tu do meu coração, manda-me um recado;
que eu posso ir junto dele, e tomar as suas mãos,
dizendo, Aceita toda a felicidade de mim.
Então hei-de voltar a cara, e ouvir um pássaro
cantar terrivelmente longe nas terras perdidas."

e.e. cummings



 Escrito por Marcelo às 09h54
[   ] [ envie esta mensagem ]




Rilke

"A solidão é como chuva.

Sobe do mar nas tardes em declínio;
das planícies perdidas na saudade
ela se eleva ao céu, que é seu domínio,
para cair do céu sobre a cidade.

Goteja na hora dúbia quando os becos
anseiam longamente pela aurora,
quando os amantes se abandonam tristes
com a desilusão que a carne chora;
quando os homens, seus ódios sufocando,
num mesmo leito vão deitar-se: é quando
a solidão com os rios vai passando..."

Rainer Maria Rilke



 Escrito por Marcelo às 17h00
[   ] [ envie esta mensagem ]




Girassóis

"Mestre, são plácidas
Todas as horas
Que nós perdemos,

Se no perdê-las,

Qual numa jarra,
Nós pomos flores.  


Não há tristezas

Nem alegrias
Na nossa vida.
Assim saibamos,

Sábios incautos,

Não a viver,

Mas decorrê-la,
Tranqüilos, plácidos,

Tendo as crianças

Por nossas mestras,
E os olhos cheios

De Natureza ...

À beira-rio,
À beira-estrada,

Conforme calha,
Sempre no mesmo

Leve descanso
De estar vivendo.

O tempo passa,
Não nos diz nada.

Envelhecemos.

Saibamos, quase

Maliciosos,

Sentir-nos ir.

Não vale a pena

Fazer um gesto.
Não se resiste

Ao deus atroz
Que os próprios filhos

Devora sempre.

Colhamos flores.

Molhemos leves

As nossas mãos

Nos rios calmos,

Para aprendermos

Calma também.

Girassóis, sempre

Fitando o sol,
Da vida iremos

Tranqüilos, tendo

Nem o remorso
De ter vivido."

Fernando Pessoa, como Ricardo Reis...



 Escrito por Marcelo às 11h54
[   ] [ envie esta mensagem ]




Camus

“Ir até ao fim não é apenas resistir mas também não resistir. Tenho necessidade de sentir a minha própria pessoa, na medida em que ela é o sentimento daquilo que me ultrapassa. Por vezes preciso de escrever coisas que em parte me escapam, mas que provam justamente o que em mim é mais forte do que eu”.

Albert Camus ("empréstimo" do Absorto...)



 Escrito por Marcelo às 09h59
[   ] [ envie esta mensagem ]




Moacyr Luz

Ontem tive o prazer de passar a tarde na casa do grande Moacyr Luz, que por sinal aniversaria hoje. O que era para ser apenas um reunião de trabalho - estamos desenvolvendo um projeto juntos - transformou-se num delicioso papo sobre música popular brasileira e boêmia, regado a cerveja e cachaça mineira, além dos deliciosos acepipes da 'baixa gastronomia' que são especialidade do compositor: jiló e quiabo cozidos com paio e azeite temperado na pimenta, moela, mini-berinjelas... Durante a conversa, Moacyr mostrou ao violão algumas de suas canções, inclusive uma inédita, feita recentemente em parceria com Hermínio Bello de Carvalho, pérola que decerto em breve estará gravada. Tive a oportunidade também de ouvir faixas de seu próximo cd, totalmente em voz e violão, e que trará, ao lado de composições próprias, trabalhos de Noel Rosa, Cartola e Nelson Cavaquinho. Posso adiantar que se trata de um discaço: as belas melodias de Moacyr soam com harmonias exaustivamente trabalhadas, e o violão não se limita a servir de fundo para a voz, promovendo com ela um diálogo profícuo, cheio de lirismo. O cd sairá no fim do ano. 

Vocês, que me conhecem e lêem o Pentimento, bem sabem que Moacyr compôs um daqueles que posso chamar de 'sambas da minha vida', o já clássico Pra que pedir perdão. Mas ultimamente tenho ouvido bastante é outra canção dele, também parceria com o Aldir, e que traz uma das mais lindas imagens de Copacana. No caso, da Avenida Atlântica, traduzida na "Loura mãe de santo / Com sua gargantilha acesa..."

"Só dói quando eu Rio"

Moacyr Luz / Aldir Blanc

"Só fico à vontade
Na minha cidade
Volto sempre à ela
Feito criminosa
Doce e calorosa
A minha história
Escorre aqui
Há quem não se importe
Mas a Zona Norte
É feito cigana lendo a minha sorte:
Sempre que nos vemos ela diz
Quanto eu sofri
E Copacabana
A linda meretriz-princesa
Loura mãe de santo
Com sua gargantilha acesa...
Ela me ensinou pureza e pecado,
A respiração do mar revoltado...
Rio de Janeiro, favelas no coração"



 Escrito por Marcelo às 09h31
[   ] [ envie esta mensagem ]




Páscoa de novo?

Hoje, logo o sair do Maracanã, eu e Janot paramos num bar, ali na Tijuca, para comprar garrafas de água que fossem capazes de nos hidratar  após o suor perdido com os pulos dados no estádio (foram mais de quatro, creiam!). Eis que alguns elementos, travestidos com a camisa derrotada (deveria dizer “arrasada”? "detonada"? "humilhada"?) comentavam: “mas a torcida deles cabe numa kombi...”O cotovelo queimava, pesava de tão ardido e dolorido. Como são criativos os moços, não? A cada dia me convenço mais que o Dapieve estava certo quando afirmou que a torcida urubulina tem algo de nazi-facista. Acha que é um mérito em si ser maior. De um populismo barato toda vida... Populismo como o de um se seus mais célebres torcedores, o comandante Bolinha, quer dizer, Garotinho... Ou como de um patético prefeito que se arvora de ter um time "pessoa jurídica"... Pouco sabe tal torcida sobre os mistérios de torcer. Sobre aquilo que comentava nosso Nelson Rodrigues em suas geniais expressões... Pobre deles. Se assim são os fatos, pior para os fatos...
O que se viu ontem no Maracanã foi uma espécie de Páscoa rediviva. Um chocolate (Kopenhaggen, evidentemente, já que somos tricolores e não estamos aqui para sabores vabagundos...) clássico. E chocolate dado por gente de educação, pois permitimos o gol “extrema unção” da Enceradeira, que certamente será um ótimo secretário de Esportes em Nova Iguaçu. Quando a partida ainda estava 2x0, Diego driblou meio time rubro-negro e entrou cara a cara como goleiro do Fla. Perdeu o gol. Lá do céu, Nelson Rodrigues não gostou. Foi por isso que logo depois, ao dominar a bola, o Preto parou um instante para ouvir o dramaturgo sussurrar em seu ouvido. E ele o fez. Disse Nelson: "A humildade termina aqui". Então Preto tocou de chapa, encobrindo Diego, que se esticou todo só pra tornar o gol ainda mais bonito, aquele tipo de gol que dá a certeza de que a faixa está garantida.

Mas e o “oh, meu mengão?”. E a fama de “deixou chegar, agora tem que aturar” que ouvi durante toda a semana? Prefiro deixar o povo da pacata cidade de Santo André comentar sobre o assunto... Quanta arrogância! Arrogância, como sempre, deslocada toda vida, até porque time por time, torcida por torcida, o Vasco e o Botafogo foram adversários mais difíceis – e dignos, e decentes. Mas não comemoremos nada, já que temos pela frente uma equipe bem mais forte – o Volta Redonda, que ao menos tem a sorte de não disputar o Brasileirão, pois o caminho do Urubu em tal disputa é ladeira abaixo. Outra vantagem: o camisa dez do amarelo e preto não vomita a cada jogo...
A benção, João de Deus. Nunca foi tão fácil...

P.S. Foi uma beleza ver a torcida do Flu em completo silêncio, com as mãos estendedidas para o céu, em tributo ao Papa...



 Escrito por Marcelo às 03h39
[   ] [ envie esta mensagem ]




A benção, João de Deus

Acaba de morrer o Papa João Paulo II...



 Escrito por Marcelo às 15h51
[   ] [ envie esta mensagem ]




A Suderj informa

O que corre por aí e me parece uma explicação possível (não vamos falar em sensatez em se tratando de tal assunto) é que o urubu Chiquinho da Mangueira forçou a mão pra não haver venda nos clubes para reduzir o percentual de venda aos tricolores, evidentemente menos dispostos a ir se estapear no Maracanã por um ingresso. Um amigo esteve hoje pela manhã no estádio. As vendas tinham se iniciado às 10h e meia-hora depois já não havia mais entradas. Aliás, havia sim. Com os cambistas.

 Escrito por Marcelo às 15h23
[   ] [ envie esta mensagem ]




Estréias

 

Por falar em cinema, estréiam no Rio hoje mais dois filmes que parecem interessantes: Jogo subterrâneo, dirigido por Roberto Gervitz (de Feliz ano velho) e baseado no excepcional conto Manuscrito encontrado num bolso, do Cortázar; e Questão de imagem, da cineasta Agnès Jaoui, que assinou o divertido O gosto dos outros. A conferir.



 Escrito por Marcelo às 13h15
[   ] [ envie esta mensagem ]




Resenha no Críticos.Com

Daqui a pouquinho estará no ar, no site Críticos.Com, minha resenha sobre o filme Quase dois irmãos. Leia na íntegra aqui. Abaixo, dois trechos do texto:

Retrato contundente do impasse social brasileiro

Marcelo Moutinho

"Quase dois irmãos", de Lucia Murat, é sobretudo um filme sobre conflitos. Conflito entre dois amigos de infância cujas vidas correram paralelas em similitudes e diferenças. Conflito entre caminhos que, como assinalou Borges, se bifurcam, pontuando a distância que há entre os sonhos que alimentamos e seus desenhos concretos. Conflito, enfim, entre duas épocas – o final dos anos 60, ápice autoritário da ditadura militar, e os dias de hoje, quando o país encurrala-se no impasse aparentemente sem solução no crescente poder e sedução do narcotráfico.(...)"

(...) Com uma competência técnica que (felizmente) não abdica da contundência, Quase dois irmãos explicita a conivência policial, a coexistência compulsória da comunidade com os criminosos, a violência gratuita de quem se crê onipotente, todos estes elementos que contribuem para o mérito do filme de não enveredar por otimismos cândidos, nem apontar dedos para nichos exclusivos. Pelo contrário. Se Murat concede ao Estado sua parcela de culpa, em contrapartida não livra a cara o indivíduo - cuja imagem, na produção, faz lembrar a "superfluidade" conceituada pela grande Hannah Arendt. Uma imagem que esboça impotência acomodada, como se nada que se diga, se queira ou se faça vá importar para a sociedade.(...)"



 Escrito por Marcelo às 11h55
[   ] [ envie esta mensagem ]




De uma amiga sumida...

''Amanhecíamos, o relógio acusava, as pessoas do prédio da frente se estendiam na varanda, com suas camisolas e ares matinais, amanhecíamos, a luz amarela ia fazendo-se desnecessária e, de repente, chocadas, descobrimos: da casca do ovo, não rompia o dia em sua expressão máxima, em tons de parto, violáceos, berrantes, azuis, escarlates: amanhecia cinza e quase chorávamos a chuva que não caía, pairando, estática, em forma de nuvens diluídas na vastidão do horizonte. O horizonte que terminava. Quer coisa mais triste que um horizonte finito?''

Mariana Castro

P.S. Foto de Leonardo Régnier...



 Escrito por Marcelo às 11h46
[   ] [ envie esta mensagem ]




Nossos momentos

Não sai do meu cd nas últimas semanas o disco Nossos momentos, que registra o show homônimo que a Bethânia fez, sob a direção de Bibi Ferreira, em 1982, no Teatro da Praia. Trata-se daquele espetáculo que já citei aqui, comentando que foi a primeira vez que vi a cantora no palco. A meu julgamento, ao lado do recente Brasileirinho, foi a melhor apresentação da carreira dela. O disco abre com uma vinheta de Maria Bethânia, canção-homenagem do mano Caetano, e depois envereda por um sensacional pout-porri do Gonzaguinha, que inclui O que é, o que é? (em uma de suas primeiras gravações), Grito de alerta, Explode coração, Sangrando e a bela bela bela Eterno começo, trilha-sonora da minha vida atualmente. De Gonzaga Jr há ainda outra pérola, a quase desconhecida Gás néon ("Viver essa longa avenida de gás néon / POrtas de ouro e prata / Falsos sonhos / Nessas noites de verão"). Mas o cd é todo ele muito bom. Emocionante ouvir Bethânia cantando Luzes da ribalta, versão inspiradíssima de João de Barro e Antonio Almeida para o clássico de Chaplin, ou Vida, do Chico, ou Shangrilá, de Rita Lee e Roberto de Carvalho. Empolgante reconhecer um Moraes Moreira (com Fausto Nilo) arretadíssimo em De noite e de dia. Surpreendente deparar com Prenda, uma belezinha criada pela Joyce, cujos versos ensinam "Amar é pássaro, é prenda, é prata / é sombra, é silêncio, é sono / Amar é jamais ser dono / É febre que não maltrata". Em suma, um showzaço, um discaço. Pra revisitar sempre... 

"Eterno começo"

Gonzaguinha

"Viver, cantar, morrer, nascer

Já sei do inferno das paixões

Já sei do fogo...

Cantar, viver, entrar, sair

No céu, prisão dos corações,

Provei do mel...

Caminhar, aprender e alardear

Universo infinito, outro planeta girando se aproxima

Das sombras do sol, por certo surgirá

Já cheguei, já parti, já sei tanto

E é claro que não sei de nada

Celebro a chegada no eterno começo

Será criança? Que futuro andará?

Final, princípio, manhã, ô, manhã

Sou eu quem sempre deito tarde, levanto cedo

Iluminar... Manhã, ô, manhã

Sou eu que só realço tudo, não tenho medo

Caminhar, aprender e alardear

Universo infinito, outro planeta girando se aproxima

Das sombras do sol, por certo surgirá

Já cheguei, já parti, já sei tanto

E é claro que não sei de nada

Celebro a chegada no eterno começo

Será criança? Que futuro andará?"



 Escrito por Marcelo às 10h55
[   ] [ envie esta mensagem ]




Sarau de Santa

Amanhã, a partir das 18h, rolará a terceira edição do Sarau de Santa, que desta vez terá como sede a charmosa livraria Largo das Letras. Os convidados especiais serão os amigos Augusto Sales e Mara Coradello, mas o evento é aberto a quem quiser ler textos da própria autoria. A única exigência é que a narrativa não ultrapasse três laudas, para garantir a dinâmica da leitura e espaço para todos aqueles que irão apresentar seus trabalhos. Estarei lá – e levando conto inédito. A livraria fica na Av. Almirante Alexandrino, 501 – Largo dos Guimarães – Santa Teresa – Tel: 2221-8992.



 Escrito por Marcelo às 10h25
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]




UOL
 
Histórico
  01/04/2007 a 30/04/2007
  01/03/2007 a 31/03/2007
  01/02/2007 a 28/02/2007
  01/01/2007 a 31/01/2007
  01/12/2006 a 31/12/2006
  01/11/2006 a 30/11/2006
  01/10/2006 a 31/10/2006
  01/09/2006 a 30/09/2006
  01/08/2006 a 31/08/2006
  01/07/2006 a 31/07/2006
  01/06/2006 a 30/06/2006
  01/05/2006 a 31/05/2006
  01/04/2006 a 30/04/2006
  01/03/2006 a 31/03/2006
  01/02/2006 a 28/02/2006
  01/01/2006 a 31/01/2006
  01/12/2005 a 31/12/2005
  01/11/2005 a 30/11/2005
  01/10/2005 a 31/10/2005
  01/09/2005 a 30/09/2005
  01/08/2005 a 31/08/2005
  01/07/2005 a 31/07/2005
  01/06/2005 a 30/06/2005
  01/05/2005 a 31/05/2005
  01/04/2005 a 30/04/2005
  01/03/2005 a 31/03/2005
  01/02/2005 a 28/02/2005
  01/01/2005 a 31/01/2005
  01/12/2004 a 31/12/2004
  01/11/2004 a 30/11/2004
  01/10/2004 a 31/10/2004
  01/09/2004 a 30/09/2004
  01/08/2004 a 31/08/2004
  01/07/2004 a 31/07/2004
  01/06/2004 a 30/06/2004
  01/05/2004 a 31/05/2004
  01/04/2004 a 30/04/2004
  01/03/2004 a 31/03/2004


Outros blogs
  Absorto
  Andréa Del Fuego
  Arenas cariocas
  Argonauta digital
  Benguelê
  Baiaty
  Bife sujo
  Biquinidibolinha
  Blog de anotações
  Bohemias
  Buteco do Edu
  Candeia de vento
  Canis sapiens
  Coisas perdidas atrás da estante
  Cadê Teresa
  Cartas de hades
  Desfio
  Doidivana
  Elo primitivo
  É o Brasil!
  Era o Dito
  Escreve escreve
  Eu sou fubanga
  Expurgação
  Fullbag
  Histórias do Brasil
  Hotel Hell
  Inveja de gato
  Interlúdio
  JX Blog
  Killing Travis
  Lameblogadas
  Lixo e Purpurina
  Marcelo Coelho
  Melodia infinita
  Memorabilia
  Meu outro eu
  Meu fotolog
  Navegar impreciso
  Neguinha suburbana
  Nilze Carvalho
  Novo Mascavinhas
  Olivetti 22
  Opiário
  Perto do coração selvagem
  Palavras pelo mundo
  Paralelos blog
  Pindorama
  Pátria FC
  Poison tree
  Preto, pobre e suburbano
  Primeira pessoa
  Pseudônimos
  Rabo de gato
  Ronize Aline
  Santiago Nazarian
  Santa Bárbara e Rebouças
  Seta para cima
  Sujeito a chuvas
  Socador
  Tiroteio
  Toca tudo
  Todo prosa
Sites
  Agenda samba-choro
  Bagatelas!
  Críticos
  Cronópios
  NoMínimo
  Paralelos
  Portal Literal
  Rascunho
  Tribuneiros.com
Votação
  Dê uma nota para meu blog







O que é isto?